para mimmaio 23, 2019

Existe esse tal de desenvolvedor de palco?

Há um tempo atrás um amigo me chamou de “desenvolvedor de palco”, mas o que isso significa? Seria essa uma evolução do empreendedor de palco? Ou só mais um daqueles que colocam Havard no currículo sem nem mesmo terem pisado na universidade? Eu não fiquei ofendido, na verdade foi o oposto. Pra mim a definição do “de palco” é sobre aumentar o que foi feito, colocar flores e purpurinas. Colocar glamour aonde não se encontra. Hora pois, ser desenvolvedor é estar lidando com conhecimentos técnicos, ou você sabe ou não. É bem simples desmitificar isso.

Primeiro precisamos entender que programador e desenvolvedor não são a mesma coisa, enquanto o programador está focado em virar noites codando e simplesmente entregar o que foi pedido, o desenvolvedor vai além: preocupa em entregar a melhor opção para o cliente, visando segurança, acessibilidade, ter tudo documentado e além.

Um briga para saber qual linguagem é a melhor para se trabalhar, o outro sabe que cada situação é uma. Um acredita que a gambiarra é a forma de vencer a derrota, o outro sabe que isso irá prejudicar todos que irão trabalhar no projeto posteriormente. Ah, sim. Vamos falar disso um pouco: você precisa escrever códigos em que todos os outros programadores possam entender. Não fiquei ofendido em ser chamado assim, visto que ele colocava todo o código javascript dentro da pasta css e não havia sequer um padrão de linguagem no php.

Mas eu vou além, trabalhar com tech permite que você quantifique e qualifique o seu conhecimento como em nenhuma  outra área. Eu sei criar pipelines para entrega contínua de sistemas react com aspnet core no azure. Eu sei os motivos por trás de se usar uma string ao invés de uma String no C#. Quando você coloca lado a lado as tecnologias que você trabalha todo o santo dia, com alguém que diz algo assim, é nítido que essa pessoa não faz 20% do que eu faço. Boa sorte em chegar lá sem mudar o seu mindset.

Parte do que faz um desenvolvedor bom é entender que é preciso conhecer as ferramentas de trabalho que estão disponíveis, como o GitHub, npm e porque não, a própria linguagem. Criar códigos simplesmente por criar, copiando de outros autores ou do StackOverflow não tem faz um programador melhor, ser reconhecido por contribuir diretamente com a comunidade opensource, ajudar pessoas e instigar curiosidade em eventos, isso sim te faz um programador melhor. O prêmio de profissional de maior valor da Microsoft (MVP) é apenas reconhecimento disso.

Na mesma frase em que ele diz que sou desenvolvedor de palco, ele também diz que possui um aplicativo para android com 10 mil usuários e por isso ele seria melhor que eu que tenho um para Windows Phone que ninguém usa. Ok, como já sabemos respostas fáceis não trazem uma solução e não contribuem. A frase até é verdadeira, até olharmos mais a diante. O que representa 10 mil usuários no android? O que representa os mesmos usuários no Windows Phone 10? Veja a limitação da audiência. E posso acrescentar ainda que o app para Windows é pago, é um dos mais bem avaliados da loja e específicos para desenvolvedores. Nicho! Sucesso no seu nicho!

Para alguém que gerencia uma agência de marketing ele deveria saber que mercados de nicho são o futuro, é lá que você quer ir na web, é pra lá que você tem mais chances de sucesso.

Mas, de novo, isso é olhar de forma fácil o problema. Vamos aprofundar mais, na métrica que mais importa, a comunidade. Receber feedback de usuários ativos no aplicativo dizendo que ele permitiu que estudassem programação pelo celular quando os computadores da universidade não ajudavam é simplesmente fantástico. 80% dos usuários do Formula – Universal Code Editor são estudantes principalmente na China, Alemanha e Brasil. Não há nada mais importante do fazer parte ativa da história de +10 mil usuários ao redor do mundo.

Só porque dou palestras não me faz desenvolvedor de palco, talvez desenvolvedor no palco e aí sim – é pra se orgulhar com força! Bora ensinar todo mundo a programar!

para vocêmaio 01, 2019

novo site: mais intuitivo, mais realista

Hoje estamos inaugurando uma nova fase, onde estaremos trazendo ideias conceituais para a relidade, provando que conceitos e sonhos podem sim se tornar realidade. E não é segredo que com o passar dos – incríveis 9 – anos este site sofreu diversas modificações. Para representar essa visão e permitir que trabalhemos nesta nova fase, estamos inaugurando um novo layout.

Gostaria de utilizar este espaço para compartilhar um pouco do que foi alterado e o que isso significa.

Nova marca, novo conceito, nova linguagem: Já haviamos falado um pouco sobre isto, mas com este novo layout podemos expressar melhor nossas soluções. O site foi dividido em cinco partes, de forma bem nítida:

  1. Para empresas: o foco principal aqui, onde estamos, como equipe, apresentando nossos serviços de desenvolvimento e consultoria.
  2. Para você: aonde está listado os meus aplicativos, ebooks, cursos e tudo o que eu tenho produzido para a comunidade e para você. A ideia é ser bem informal, mais pessoal e próximo da realidade.
  3. Para devs: essa parte é para quem sabe que BIOS não é uma banda dos anos 80. Aqui temos alguns frameworks, informações mais técnicas e que um desenvolvedor irá querer usufluir.
  4. Web-as-a-Service: Parte da empresa vtnorton é venda de sites como serviço, e aqui temos um espaço para este portfólio.
  5. Inglês: A empresa vtnorton tem uma abrangência nacional e não estamos atendendo empresas estrangeiras, portanto não faz sentido ter este conteúdo exposto lá fora, na verdade, a parte em inglês deste se transforma em um portfólio e blog pessoal.

Isto foi imprescindível para que tudo ficasse muito bem organizado e não a bagunça que era lá em 2016! Não se lembra? Dá uma olhada em como era o site naquela época:

Alguns conceitos posto em práticas: Com esse novo layout, estamos pondo em prática algumas das minhas crenças no que transforma a web em algo melhor. Então neste site você não verá anúncio, nem pop-ups irritantes. Prezo pela sua privacidade.

Você também não verá aqui espaço para comentários, nem links para compartilhamentos. Esta foi uma decisão pessoal para evitar uma série de problemas que isso acarreta.

Na verdade, muito do que se acreditava ser necessário em um website, na verdade não é, estamos aqui para provar isso.

Heartthrob e a história do dogfood: Há alguns dias lançei, lá no GitHub, o projeto heartthrob e sua documentação [irei fazer um anúncio formal aqui no site em breve]. Este é um framework CSS, que teve como inspiração o Fluent Design da Microsoft e o Bootstrap.

Ele é um conjunto de regras como tudo deve se portar, em termos de design. É com orgulho que digo que este site foi criado usando somente esse framework.

Mais facilidade para manter: Existe uma satisfação valor agregado muito grande quando se cria algo do zero. Quando se faz um site ou sistema sem se basear em nada, e principalmente sem depender de terceiros.

O layout deste site foi criado específicamente para ele, de acordo com as necessidades estudadas, e temos o controle total de como tudo funciona. Na verdade, estamos levando a outro patamar, quando adicionamos integração contínua a ele.

Sim, você ouvir certo, colocamos integração contínua no nosso tema do WordPress, quer saber mais sobre isso? Fica ligado que vai rolar uma postagem sobre!

Não preciso nem dizer que diversos erros foram resolvidos, né?

Informações antes perdidas, recuperadas: Devido a organização antiga, a falhas, algumas informações não eram acessíveis quando se visualizava o site em inglês, ou certos conteúdos ficaram perdidos para sempre no limbo da internet até serem resgatados. Um grande exemplo disso são os aplicativos:

Durante o ano de 2015 estive lançando um aplicativo por semana durante três meses, o que me deu uma lista imença de aplicativos – baixados mais de 10 mil vezes no Windows Phone 8 e 8.1. Alguns destes aplicativos só faziam sentido naquela época ou perderam suporte com o passar do tempo e com o fim do suporte do Windows Phone.

Isso mais o desligamento da loja do Windows 8 e 8.1 não era possível ter uma noção de como esses aplicativos eram, para tanto, foi resgatado imagens da tela destes aplicativos, descrições e até – em alguns casos – o ícone deles.

Estou indo mais a fundo e pretendo estar publicando cada vez mais estes resquicios da minha história como desenvolvedor – porquê tem muita coisa que eu fiz por aí e ficou perdido no limbo.

O que esperar com essa mudança: Eu estarei escrevendo com mais frequência, compartilhando novidades e lançando novos produtos.

Estarei escrevendo sobre o meu ponto de vista em algumas atitudes empresariais, minha experiência como desenvolvedor e como consultor. Aguardem.


Nota: Estamos procurando sempre melhorar o design e outros aspectos do site e de nossos produtos, se você encontrar algo que precisa ser corrigido, por favor, avise-me.
Durante as próximas semanas este site receberá diversas outras correções e melhorias.

para empresasnovembro 15, 2018

WaaS: Novidades de Novembro de 2018

Como sempre a cada mês estou procurando melhorar o site para todos os clientes, e em novembro não foi diferente, segue o que fizemos de novo!

Política de privacidade

Durante o último mês nós inserimos em todos os sites uma nova política de privacidade, mais simplificada e de acordo com as novas regras internacionais. Também simplificamos e removemos o termo de uso do site.

Segurança para os sites

Com a junção da Quadro Agência Digital com a vtnorton novas políticas de segurança da informação foram aplicadas em todos os sites, incluindo a alteração de todas as senhas para formas mais complexas e mais segurança na forma de publicar o site.

Menos spam com o Recaptch

Foi adicionado também, em todos os sites, um recaptch (aquelas letrinhas para provar que você não é um robô) nos formulários de contato. Isso irá previnir que você receba spams – e-mails indesejados – na sua caixa de entrada. Mais um passo contra os spans!

Certificado SSL

Cada vez mais os sites com certificado SSL estão se tornando mais importantes, a começar por 2020 onde sites sem este certificado poderão ser barrados pelos navegadores mais modernos, como o Firefox, Edge e Chrome. Antes os usuários poderiam entrar no seu site tanto com o certificado quanto sem (http ou https), agora o site irá iniciar sempre com o certificado (https), garantindo uma segurança muito maior para os seu usuários.

para empresasoutubro 31, 2018

Agora Quadro Agência é vtnorton

Tanto a Quadro Agência, liderada pelo Francismar Almeida, como a vtnorton, liderada por mim, Vítor Norton, possuem o objetivo único: prestar um serviço de extrema qualidade para nossos clientes. Pensando neste objetivo, hoje estamos anunciando a junção da empresa Quadro Agência com a vtnorton.

Esta novidade abrange somente os sites hospedados e mantidos pelas duas empresas, contratos de prestação de serviço como desenvolvimento de sistemas e gestão de mídias sociais estão sendo analisados separadamente com cada cliente.

Isto irá permitir melhorias constantes nos websites, mais segurança e estabilidade para os clientes. Como de costume, na vtnorton, estamos sempre trabalhando para melhorar a qualidade do seu site, mesmo após o desenvolvimento dele ter sido finalizado.

para empresasoutubro 11, 2018

Indo além: conheça a nova marca

Senhoras e senhores [leia com uma voz daqueles locutores circenses] eu lhes apresento, a nova marca: vtnorton!

Depois de alguns anos sem uma marca bem definida, chegou a hora de criar uma identidade própria na internet. Uma identidade que mostra-se inovação, que representa a ausência do medo de errar, de voltar ao início e fazer diferente, pois só assim alcançamos excelentes resultados.

Nos próximos meses, teremos algumas novidades significativas nesta fase de redescobertas e de fazer diferente. Novas parcerias, meios de comunicação e projetos serão anunciados em breve, eles irão beneficiar os clientes da vtnorton para empresas e todos aqueles que desejam alavancar os seus negócios e ideias. Estamos trabalhando em algo de grande impacto que não vejo a hora de contar ao mundo. Fique ligado!

para empresasmaio 18, 2018

WaaS: Novidades de Maio de 2018

Este mês está repleto de novidades, especialmente por dois fatores: as novidades anunciadas no inicio do ano e pela migração da nossa hospedagem. Sim, no início do ano, anunciamos várias novidades interessantíssimas para você e que elas iriam chegar gradualmente. Hoje apresento a última etapa dessas novidades, e as que mais irão impactar no seu negócio!

Backup, Backup e Backup

Estamos aplicando uma nova política de backup que em breve estará nos nossos termos de aceite:

  • Sites institucionais (planos I1, I2): Backups automáticos e sob demanda todas as sextas-feiras as 20:30, da base de dados e do site, os backups ficarão armazenados por 30 dias.
  • Site institucional no plano I3: Backups diários.
  • Sites e-commerce (planos E1, E2, E3): Backups automáticos e sob demanda todos os dias as 18:00, da base de dados e do site, os backups ficarão armazenados por 30 dias. Ah, estamos estudando a opção de colocar backup em tempo real para o plano E3, fique atento!

P.S.: Os backups estão sendo oferecidos para sites hospedados com a Vítor Norton, dentro das próximas semanas entrarei em contato com sites hospedados por terceiros para fazer a migração.

Hospedagem com o Azure App Service

Vish, três termos técnicos em um título só? Sim, mas não entre em pânico, isso significa que o seu site esta hospedado agora em um App Service do Azure e não mais em uma máquina virtual. Existem diversos benefícios, como o controle de acesso, testes, integração com outras plataformas, segurança, disponibilidade e integridade de cada site. Decorri melhor sobre esse assunto em uma das minhas recentes postagens aqui no blog!

Produtos recentemente visualizados

Foi adicionado na página principal do site uma sessão nos sites de e-commerce, onde irá apresentar para os usuários os produtos recentemente visualizados pro ele dentro dos últimos 30 dias, sendo que não será exibido produtos gratuitos, ou fora de estoque nem produtos que já foram comprados. Além disso, se o usuário não fizer login nos últimos 7 dias, o sistema irá enviar um e-mail oferecendo estes produtos para o cliente.

Fila de espera

Uma das opções mais interessantes no e-commerce é para avisar aos consumidores os produtos que saíram de estoque. Durante o último mês adicionamos esta opção para todos os e-commerces. O cliente irá receber por e-mail quando o produto voltar a ter estoque.

Uma nova forma de finalizar as compras

Testes A/B mostraram que páginas de finalização de compras (analises feitas para descobrir que estrutura de finalização de compras funcionam melhor em sites de e-commerce) mostraram que a melhor escolha para uma experiência do usuário aprimorada durante a compra é fazer ela por passos, sendo guiada pelo site. Por isso, durante o último mês trabalhamos para que todos os e-commerces do site tivessem essa estrutura de finalização de compra.

Outras mudanças interessantes

Além de todas as mudanças destacadas algumas menores também chegaram neste mês.

  • Listas de e-mail aprimoradas: Agora todos os clientes que finalizarem uma compra terão o e-mail salvo automaticamente no MailChimp e com todos os dados analisados. Isso também permitirá o MailChimp de entregar estatísticas mais relevantes sobre a vendagem do seu produto.
  • Lembrete de review: As pessoas gostam de ler um review de um produto – não é atoa que vídeos de unboxing fazem muito sucesso! – então a partir deste último mês os usuário que efetuarem uma compra, irão receber um e-mail pedindo para escrever um review sobre o produto, incentivando assim novos comentários.
  • Edição rápida de vários produtos: Utilizando o Bulk Product Editing você pode editar rapidamente vários produtos de uma única vez. Para fazer isso no painel, vá em YITH Plugins > Bulk Product Editing.
  • Histórico do consumidor: Adicionamos no painel administrativo, para e-commerces, a parte chamada de “Customer History” onde você consegue visualizar o histórico de cada cliente na loja. Saber o que cada um está buscando, pelo nome, é importantíssimo para direcionar o marketing!
  • Comprado junto: Agora na página de produto será mostrado uma sessão de produtos que foram comprados juntos nas últimas vendas. Essa função vai melhorando a cada nova compra do site!
  • Combate ao spam: Mais um passo – grande – foi dado no combate ao spam, e agora todos os comentários são filtrados automaticamente para impedir spams de chegarem no seu blog/site/e-commerce!
para empresasmaio 10, 2018

Ontem foi louco: correndo para lançar um serviço enquanto estava no carro indo pra reunião

O título deste textão já diz tudo, ontem foi um dia louco em que eu corri pra lançar um serviço enquanto estava no carro indo para a reunião de apresentação. Como você já deve ter percebido – se você já me segue a um tempo -, eu não bato muito bem da cabeça, não tenho medo de arriscar e definitivamente acredito que a vida é curta demais para viver sem estar em beta.

O que isso significa? Significa estar a uma hora de uma grande apresentação e resolver instalar uma nova versão do Windows que acabou de sair para quem está no Windows Insider. Quais as chances de dar erro, você me pergunta? Muitas. Pra começar o timing, só Deus sabe quanto tempo meu computador vai demorar para atualizar para o novo Windows, e ainda tem o tal do Morphy que criou uma tal lei que fazia o ambiente da padaria, sem bateria e sem internet, ser o ambiente perfeito para dar merda.

Ontem, entretanto, cheguei no ápice. Me orgulho disso? Sim. Deveria? Provavelmente não. Mas no fim deu tudo certo, pareceu uma cena de um filme onde tudo acontece no último minuto. Como é bom esse sentimento. Pra explicar um pouco, deixe-me dar um pouco de background técnico para você.

Eu estou em uma startup chamada Olá Wolff e nela nós estamos construindo um chatbot para facilitar a abertura de empresas. Esse chatbot está ficando cada dia maior e cada vez mais irá crescer, então para que tudo flua bem precisei criar um ambiente/servidores/DevOps que colaborassem para o crescimento exponencial que está por vir.

Isso significa que na última semana eu montei três ambientes para o nosso bot: o ambiente de Produção, de Testes e Apresentação e o ambiente de desenvolvimento. Mais do que isso, a integração contínua destes ambientes e as regras e políticas de negócios para cada um deles. Como o próprio nome diz, o ambiente de testes e apresentação será destinado ao que daqui a pouco vai chegar para o ambiente de produção.

Ok, só pra dar nomes aos bois, ambiente de produção é onde o serviço/aplicativo está. Ele é onde o usuário entra e ali é um lugar sensível e tudo precisa ser feito com precisão cirúrgica pois não queremos que o aplicativo saia do ar nem que haja problemas nele. Esse é o ambiente de produção e não queremos problemas nele, então, antes de chegar um código novo com aquela função hipermega legal, ela precisa passar por um ambiente de testes.

Para o nosso projeto, no Olá Wolff, o ambiente de testes é o mesmo do ambiente de apresentação. É isso mesmo, é o mesmo ambiente que usamos para mostrar o produto para possíveis investidores, para parceiros, para empresas interessadas e até semostrações ao vivo – assim a gente consegue esconder o que estamos desenvolvendo do que você está vendo… Temos sempre uma carta na manga.

Agora que você já entendeu como o projeto está organizado, entenda a minha loucura. Ontem foi o dia da entrega do MVP. Não, não é a entrega do prêmio… Bem que poderia ter um cerimônia do tipo Oscar, mas não é sobre esse MVP que eu estou falando. Estou falando do menor produto viável (ou MVP). Esse MVP chegou para o ambiente de testes e apresentações ontem.

O código estava pronto – em partes, faltava só a publicação dele. 30 minutos antes da mega importante reunião, eu comecei a configurar o ambiente de apresentação (e o Release do Visual Studio Online). Que na verdade foi 10 minutos após terminar de ajustar o ambiente de desenvolvimento. Ótimo, o site do desenvolvimento está rodando, falta agora a beta.

Todas as configurações feitas, estava revisando e encontrei um problema – se eu publica-se ali o banco de dados não funcionaria. Meu telefone toca, o CEO do projeto já está no carro me esperando para ir para a reunião. Peço mais 5 minutos. 5 minutos concedido, iriamos atrasar na reunião. Muda a string de conexão, clica em salva e sai correndo. Ainda não estava pronto.

Chegamos na tal reunião, e eles iriam atrasar um pouco, ufa! Pelo menos vou ter um tempo de finalizar isso daqui. Roteei a internet do meu celular, abri meu computador, comecei a digitar feito um louco, dei merge de duas branches na branche da beta, removi o código que não seria publicado. Liguei para o outro desenvolvedor do projeto e pedi para que ele fizesse isso na branche que ele estava mexendo. 5 minutos e estava tudo ok. Hora de jogar para o servidor. O código chega no VSO, compila sem problema, mas na hora da publicação foi o contrário.

Então, no Visual Studio Online, nós temos algumas releases/publicações, todas elas trabalham somente com um contexto (Enviroment), mas nessa, que é junção de todos os contextos do nosso chatbot (API, Chat, Web e outras coisinhas), nós temos 4 contextos com 2 artefatos vindo de dois repositórios diferentes. Organizar isso não foi fácil em 30 minutos, e é óbvio que iria dar problema na hora da publicação. Dois contextos estavam com problemas. Conserta rápido. A secretária diz que a nossa reunião iria começar em menos de 5 minutos. Clica em Publicar/Release e roga pelo melhor.

A reunião se inicia, o CEO está comentando alguns pontos importantes do nosso serviço. Enquanto isso vejo a notificação no meu celular dizendo que, e eu cito: “A publicação (versão 1.1805.3_prerelease) foi enviada com sucesso para o ambiente beta”. Foi um alívio e ao mesmo tempo não. Toda a publicação foi feita, mas estamos falando de um código novo, com uma publicação feita nessa correria, o medo? De ter quebrado o bot.

Usamos essa expressão no escritório para informar quando a web não consegue conversar com o bot, geralmente é por não ter passado a string de conexão correta para a API ou a API não ter ligado bem com os serviços cognitivos (LUIS + Azure). Não tinha como saber, não havia ainda criado o teste para validar isso.

Chegou a hora de apresentar. Minha vez de falar. Abro o navegador e digito a URL do nosso serviço, e bum! [para efeitos de suspense, segure a leitura por alguns segundos]

Estava funcionando lindamente.

para empresasmaio 03, 2018

Disponibilidade, segurança, praticidade e tudo o que um produto como serviço pode me oferecer

Se você chegou neste texto acreditando que ele irá te ajudar a organizar a sua bagunça, tenho uma notícia não muito boa para você: ele não foi feito com esse intuito. Mas é claro, você pode tirar bons insights da forma como eu organizo tudo o que preciso e como isso agrega aos meus clientes e a mim.

Durante os últimos meses eu precisei criar mecanismos para focar no que realmente importa: entregar um produto de qualidade para os meus clientes. Focar em inovação, criatividade, mas principalmente, estabilidade. Estabilidade para poder evoluir. Como uma empresa de uma pessoa só com várias áreas de atuação: consultoria, desenvolvimento de aplicativos, desenvolvimento de websites para empresas, líder em uma comunidade técnica e que quer desesperadamente ensinar a cada pessoa no planeta a programar, eu necessito de ter estabilidade.

Durante as últimas semanas venho trabalhando em ter essa estabilidade por três pontos:

1 – Organizando as finanças

Um dos pontos mais chatos de lidar: finança. É uma bagunça! Gerir datas, cobranças, formas e meios de pagamento, entre outros fatores é desgastante.

Gerar boleto, cobrar, pagar boleto, datas de vencimento chegando e cadê o pagamento? Clientes que pagam no dia 10, outros no dia 15, outros no dia 30, dia 8, pagamento pelo PagSeguro, pelo GerenciaNet, por depósito, pagamento em dinheiro vivo. Taxas, a quantidade de taxas sendo pagas é de eu não saber mais o quanto está sendo pago em taxas e se estou trabalhando só para pagar elas ou se estou recebendo algo no fim do mês. É uma bagunça!

Outro desafio na finança é a estabilidade de quem trabalha por conta própria – freelancers, precisamos garantir que mês que vem vamos receber um valor que irá pagar pelo que precisamos. O que custa um cliente cancelar o contrato e você ficar na mão? É preciso controlar bem uma reserva, claro! Mas que tal um pouco de estabilidade?

Para organizar essa enorme bagunça e gastar menos tempo pensando em cobranças e pagamentos, e gastar mais tempo pensando em inovação, nos próximos 3 meses estarei trabalhando junto com os meus clientes, para que todos os pagamentos venham de assinatura no cartão de crédito. Estarei pagando mais em taxas, porém terei certeza do pagamento em tempo real, sem precisar ficar cobrando. É mais fácil para mim e é mais fácil para meus clientes. Também optei por receber esse dinheiro só 30 dias após o pagamento, assim eu consigo ter um pouco mais de estabilidade nessa confusão toda.

Para ajudar nesse ponto, não estarei recebendo novos contratos com o plano I2 e o E1 nem permitindo contratos que pagarão somente por boleto ou depósito.

2 – Fazendo tudo o que precisa ser feito

Ok, esse é grande!

Listas. Eu amo listas. Fiz uma lista de tarefas do que precisa ser feito, separei os itens desta lista por diversas categorias, entre elas: Apps, Parcerias, Outsiderz, Para Empresas, Vítor Norton e Olá Wolff. Com isso consegui descobrir que eu tenho 24 vezes mais tarefas para os clientes de website do que qualquer outro projeto/lista. Sabendo disso eu resolvi separar um tempo para fazer cada um destes itens.

Reservei um tempo – alguns dias – somente para fazer esses itens. Gastei toda a minha energia ali, e não brinco em relação a isso, as pessoas que estavam do meu lado não me suportaram pois eu não fui muito socializável enquanto estava focando tudo o que tinha nessas tarefas. Foi algo como descobrir que você tem que fazer um trabalho gigantesco pra entregar no dia seguinte que vale metade da nota do semestre. Você simplesmente senta e faz, sem discussão, você já procrastinou tudo o que poderia. Por sorte nada estava atrasado. Irei compartilhar mais sobre esse trabalho ainda esse mês.

Mas o fato de ter removido uma quantidade gigantesca de tarefas da minha mente me fez ficar louco. Meu estagiário estava comigo quando completei a última tarefa e fiquei por três horas – sem brincadeira, perguntando a ele se tudo estava completo mesmo ou se eu estava ficando louco? Ao completar mais de 200 itens, eu demorei dois ou três dias para encontrar um outro conjunto de tarefas.

Então acabou esse conjunto de tarefas com a lista de tudo o que estava na sua cabeça? Aguarde um pouco que outro conjunto de tarefas irá aparecer e entrarão para a sua lista. São itens que você falou que iria fazer, que planejou, que até começou a fazer, mas por conta da correria do dia a dia e por prioridade em outros projetos acabou sempre ficando para depois. É como uma grande caixa de uma mudança recente, que você abre e guarda tudo no lugar, e quando você pensa que acabou, vê outra caixa maior ainda.

Do lado de cá já estamos na terceira grande caixa de tarefas, e estamos vasculhando a fundo cada item, cada cliente, cada projeto, cada área, para garantir que não exista nada escondido, pendente, aguardando, desenvolvendo. No downtime for Hustle-as-a-Service, é o que eu chamo! A energia exposta nessa missão é igual a de alguém que faz um TCC dois dias antes de entregar o trabalho e ainda tira 10 – se é que me entende. Claro que não estamos correndo, nem fora do prazo, só estamos falando da quantidade de energia gasta, ok?

Excelente história – ou não – mas como isso me auxilia a ficar focado? Simples, em um exemplo que pode ou não ter acontecido comigo, você sai para comprar algo para comer, você precisa de dinheiro então vai no banco e enquanto está indo no banco descobre que a gasolina está baixa e vai no posto, aproveita e faz um checkout do veículo, acaba agendando também o médico que você está adiando a séculos e já que está passando perto da casa da Maria, então porque não entregar aquele livro? Entregou o livro, pegou outro, leu. Voltou pra casa, já é 18 horas e você não almoçou. Foi perda de foco? Sim, totalmente! No fim do dia achei produtivo? Sim. Como ficar produtivo e ainda assim ficar focado? Acabando com essas tarefas pendentes para liberar espaço para novas.

Ainda há itens pontuais nessa lista a serem feitas e ela continua gigante em relação as outras listas, mas foi um começo.

3 – Migrando para um produto como serviço – a parte técnica que todos esperavam

Eu já te disse que eu tenho 24 vezes mais tarefas em relação a sites de clientes do que em qualquer outro projeto? O que me fez perguntar, o que motivou isso. Será que é o número de clientes? Estou esgotado com o meu trabalho? De forma alguma. Muitas destas tarefas são problemas técnicos que precisam de tempo para serem resolvidos, precisam ser pensados, precisam ser testados.

Eu vendo sites como serviço, e a plataforma de hospedagem dos meus sites está em uma máquina virtual. O poder de gerenciamento que eu tenho, de controle, de processamento, é gigante! Mas isso causa alguns problemas, que logo após ter migrado para Serviços de Aplicativos no Azure eu tive a solução imediata, listo alguns:

Atualização de software: Ao contratar uma máquina virtual no Azure eu tenho a certeza de ter os hardwares mais novos do mercado trabalhando comigo. Mas não o software. É preciso instalar novas versões dos serviços do Linux. E instalar essas versões podem ser um problema se não forem suficientemente testadas e você não configurar da forma correta. Apesar de amar o Linux, eu não sou nenhum expert nele e não consigo fazer muito.

Ao ter migrado para serviços de aplicativos no Azure, eu garanti que todas as atualizações do sistema hospedeiro sejam instalados após devidos testes que os maiores especialistas no assunto realizaram. Eu tenho certeza que os sites não irão cair por isso, nem sofreram mal funcionamento devido a uma configuração mal feita da minha parte.

Segurança dos dados: Um segundo ponto para ter migrado todos os sites para esse novo tipo de hospedagem, é que eu não preciso me preocupar com configurações que possam facilitar o acesso de informações sensíveis. Segurança é um ponto crucial para mim, então, de novo, eu estou deixando na mão de especialistas muito mais capazes do que eu. Eu não preciso me preocupar mais com certas configurações, ou ficar na dúvida se algo está ou não funcionando da forma que deveria.

Devidas configurações para o servidor: Agora está tudo configurado certinho, nas boas práticas, com segurança e eficiência. O que isso possibilitou? A resolução de diversas tarefas de forma instantânea somente com essa migração. Coisa simples, como a configuração correta que permite que eu faça uma atualização de um plugin do WordPress, até algo mais complicado, como os e-mails que estavam sendo disparados do servidor chegar sempre nas caixas de spam.

Praticidade: Sabe qual a dificuldade de configurar um site WordPress em um servidor Ubuntu? Baixa, mas é preciso ter um conhecimento do ambiente em que você está, das tecnologias que você está utilizando, e pode ser que no fim, você acabe por destruir o seu servidor se fizer alguma besteira. Hoje eu consigo subir um site WordPress com muito mais facilidade (um clique e bum! Instalado, configurado e atualizado!) – qualquer um vai poder subir um site agora, em produção! Esse é o nível de praticidade que estou falando!

Subir um WordPress como serviço no Azure, me facilita conectar com o banco de dados externamente, de fazer devidos backups – no serviço e na base de dados; de ter o armazenamento de arquivos estáticos – como imagens e vídeos – em outro serviço, de ter acesso mais seguro e organizado pelo FTP além de trabalhar com implementação contínua (Se você está lendo esse texto até aqui é porque interessa nesse assunto e a Implementação Contínua é perfeita para você).

Disponibilidade: Ao utilizar um serviço você garante a disponibilidade do mesmo. Então, graças a isso, se os serviços que eu estou utilizando começarem a alcançar marcas de acesso mais altas – como por exemplo um e-commerce no período da Black Friday – eu tenho a confiança de que o sistema não irá cair e que irá se escalonar para aguentar o tranco.

Ainda sobre disponibilidade, refiz a arquitetura de todos os sites disponibilizados possibilitando inclusive a integridade dos dados. Esse é um assunto para outro post.

Perceba que a forma de criar um site e dar a devida manutenção nele ficou mais fácil assim. E é por isso que nos próximos três meses estarei migrando todos os sites que estão em hospedagem de terceiros para estarem hospedados sobre o mesmo guarda-chuva, eliminando assim gastos do cliente mas principalmente para mim: ter que lidar com o suporte de terceiros, com ambientes que não estou familiarizado nem com tecnologias antigas. Não é esse o foco.

4 – Tudo em um lugar somente

Esse é bem simples, até pela forma como a minha empresa é construída: estamos com tudo na nuvem!

PowerBI: Mas não adianta só ter tudo na nuvem, estamos com dados crescendo a cada dia de forma esporádica, é preciso ter acesso as informações que o Big Data te provê. Ter a possibilidade de ver TODOS os dados em um único lugar, como o PowerBI é genial.

Gerenciamento: Se você me pedir para listar os sites que eu fiz, eu vou gaguejar, vai demorar um tempo pra eu lembrar de todos e eu definitivamente vou esquecer alguns – falando nisso preciso atualizar o portfólio aqui do site. Sites que estão aguardando algo, que estão em desenvolvimento, que estão concluídos. É um desafio manter organizado essas informações e continuar produtivo sem entrar em colapso. Deste então estou reunindo no mesmo lugar tudo.

Assim como a forma de pagamento será alterada, a hospedagem dos sites, nos próximos meses também estarei transferindo todos os domínios de todos os clientes para o mesmo serviço, assim conseguirei manter um controle maior do que está acontecendo e resolver de forma mais prática todos os conflitos. A parte complicada? Fazer isso sem downtime.

Além disso, estamos gerenciando todos os sites de um único portal agora, permitindo automatizar backups do WordPress, atualizar o core, plugins, temas com um clique, além de monitorar tudo o que está acontecendo. Assim eu gastarei 5 minutos em tarefas que levariam horas. E ainda posso automatizar isso!

Conclusão

Sendo uma empresa de uma única pessoa, ter esses quatro pontos alinhados realmente facilitam a minha vida e principalmente permite focar no que realmente importa. Permite viver o momento, tomar decisões melhores, sentir-se seguro do seu trabalho e ter uma garantia maior sobre ele.

Obrigado por ler um texto deste tamanho, espero que tenha sido útil de alguma forma, e se tiver ideias sobre esses pontos, sou todo ouvidos!

para vocêmarço 26, 2018

Conheça a comunidade Outsiderz

Não é segredo que a comunidade de desenvolvedores do sul do Estado do Espírito Santo é fria – se é que existe uma comunidade -, não há eventos, meetups, um grupo ou compartilhamento de conhecimento. O que há é faculdades criando alguns eventos em que o máximo que acontece é ter a presença dos alunos da mesma lá somente por querer horas extras. Não há quem não concorde que esse cenário precisa ser mudado na região.

Os professores, coordenadores de faculdades do sul do estado também estão cansados de ter que lidar com alunos sedentos por horas extras e querem começar a lidar com a comunidade sedenta com conhecimento de novas tecnologias.

Temos grandes profissionais na nossa região, capazes de criar sistemas complexos do nada, capazes de colocar empresas da região a nível nacional, capazes de ensinar e compartilhar o que aprenderam com entusiastas, mas principalmente, com crianças que começam a se apaixonar por código através da robótica. Profissionais que se sentem afastados dos grandes eventos que acontecem principalmente nas capitais. Profissionais querendo comunicar entre si, formar uma comunidade, participar de algo.

Tenho orgulho de participar e ser líder de uma das maiores comunidades de entusiastas do Brasil, o Windows Insider Brasil. O grupo de Insiders são pessoas que estão trabalhando junto com a Microsoft em construir o melhor Windows que já existiu. Os Insiders são aqueles que estão dentro da equipe de desenvolvimento do Windows. Pensando nisso, é com orgulho que anuncio a criação da comunidade Outsiderz, para juntar todos aqueles que, de alguma forma, sentem que precisam participar de algo, de interagir, ajudar e cocriar com outros desenvolvedores.

A comunidade Outsiderz tem sua página e grupo no Facebook, além de um canal no YouTube. Para mais informações veja a página exclusiva do Outsiderz. Mas, mais importante que uma página e contas nas redes sociais, vamos começar a organizar eventos, hackathons, e meetups semanais.

Iremos começar os nossos meetups ainda em Abril, então fique ligado na página e no nosso grupo. A data e horário pode sofrer alterações, por favor acompanhe as notícias desse encontro na página do evento no Facebook.

No downtime for Hustle-as-a-Service,
Vítor Norton

para vocêmarço 10, 2018

A melhor parte do Summit fica para depois

Ao contrário do que eu estava esperando acontecer: de chegar em casa extremamente cansado sem conseguir dizer ao menos uma palavra ou reconhecer um rosto amigo na minha frente de tão exausto que eu estaria depois de 48 horas de viagem intensa. Eu estou pilhado. Estou energético, querendo fazer o mundo girar mais rápido. Estou cantando Zip-a-dee-doo-dah, zip-a-dee-ay!

O Summit é a maior reunião global de MVPs (Microsoft e Windows Insiders) do mundo! Então é de se imaginar que depois de aprender tudo o que eles tem para nos ensinar, ver o que vem pela frente, sentir novamente o gostinho da vibe Microsoft de ser, e claro, querer desesperadamente uma entrevista com os caras para começar a trabalhar lá amanhã mesmo, você fica uma pilha.

Entenda o que eu quero dizer sobre o Summit ajudar a quebrar barreiras interpessoais. Então, eu tenho duas coisas que sou viciado: listas e o OneNote, e elas meio que conversam entre si. Então não é de surpreender que eu fiz uma lista de, aproximadamente, 20 itens que eu queria resolver dentro do Summit. Coisas como: detalhes e networkings capazes de me ajudar com meetups, informações técnicas de produtos que estavam me impedindo de avançar, dúvidas sobre o processo do trabalho de vários amigos e colegas de trabalho, enfim. A maior parte desta lista eu consegui resolver nos dois dias anteriores do Summit somente por estar em junto de outros líderes reconhecidos da comunidade. E como você fica quando você consegue resolver a maior parte dos seus problemas? Pilhado.

Não há barreiras técnicas, há suporte. Não há desenvolvedor independente, há uma comunidade. Não há sonhos, haja ação! Estou uma pilha, uma pilha que irá demorar 5 dias para conseguir colocar os pensamentos, as ideias, as informações em ordem. Uma pilha que irá rever cada projeto, desde os antigos que ainda estão no papel, até os mais novos que ainda nem anunciei. O Summit é mais do que uma conferencia com um bando de nerds juntos – o que é ótimo -, é uma maneira de me fazer focar no que realmente importa: a comunidade. De trabalhar, de produzir, de criar, de se voluntariar, de fazer da sua missão: a comunidade.

Durante uma das sessões foi me perguntado algo sobre mim que não estava no meu currículo, e enquanto vários responderam algo muito interessante e que impacta no mundo, eu só consegui pensar no tanto de séries que já assisti. Tem algo errado. Tem algo errado em gastar maior parte do meu tempo produzindo um software que não irá agregar nada ao mundo, ou produzir um software que poucos irão utilizar.

Se eu quero criar mais para a comunidade, e fazer disso parte da minha vida, eu preciso me mudar. Eu preciso voltar atrás e refazer cada projeto, alinhando eles com as necessidades da comunidade, eu preciso fazer o mundo girar mais rápido, não somente para mim e para todos ao meu derredor, que por um acaso, hoje mais do que nunca, quero que todos saibam criar códigos. É usar essa vibe positiva que eu consigo encontrar nos escritórios da Microsoft para fazer algo bom, algo útil, e não usar as toneladas de conteúdos confidenciais que eu recebi nessa última semana para uso pessoal e que somente eu terei acesso.

Se você não sabe de que vibe é essa que eu estou falando, só assista aos Webcasts da equipe Windows Insider, onde o apresentador usar um chapéu de taco mexicano, e um dos diretos do programa vai fantasiado de algum personagem de Star Trek. Eles se divertem tanto que nem parece que estão trabalhando. Quem disse que trabalho é o oposto de diversão?

Todo ano é assim. Todo Summit eu volto uma pilha que precisa ser descarregada. Todo Summit eu tenho certeza que estou no caminho certo, e melhor do que isso, o caminho fica menos tortuoso e mais iluminado. É um gás novo que recebemos depois de reencontrar amigos, como o Andre Buss, que queremos impulsionar ainda mais a comunidade brasileira de Insiders. E queria agradecer muito alguns dos MVPs que ligaram essa pilha somente pelos papos no carro, ou no café ou nas festas: Angelo Belchior, David e Colin Smith, Erick Wendel, Raphael Koellner, Raphael Santos, Thamyris Gameiro e Jaqueline Ramos e vários outros que seria quase impossível listar o nome de todos aqui. Foram tantos MVPs que eu em uma semana, no mesmo local, ainda não consegui encontrar com alguns mega importantes para mim, mas ainda sim, essa viagem é a melhor parte de ser MVP.

Quero dizer, ainda que com toda essa pilha, eu ainda quero desesperadamente a minha cama, o meu aconchego e os meus pés para cima.

Eu acabo de chegar do MVP Summit, lá na Microsoft. Sim, foram 18 horas em um avião e totalizando 48 horas de viagem só da volta. Não é pra qualquer um. Eu sei que eu posso ser dramático as vezes – sempre -, mas ao entrar em um banho na sala VIP da Aeromexico, percebi que minhas meias estavam sujas de sangue. Motivo? Talvez o tanto que eu andei pra lá e pra cá, as três vezes em que perdi o Uber e saí correndo igual um louco na rua que acaba de perder o chapéu para as intemperes de Seattle. Esse pode ser um motivo para eu ter encontrado sangue nas minhas meias. Faz 48 horas que eu estou em viajem (falta duas para chegar em casa) e 72 horas sem conseguir colocar meu pé para cima.